NOTÍCIAS

Psicologia Nova

1,3 KLeituras
A importância de se definir uma área preferencial de estudos!!
Quinta-Feira, 9 de Junho de 2016

Olá pessoal, gostaria de compartilhar com vocês um pouco de minha experiência pessoal com concursos públicos.
De início, já lanço uma pergunta: vocês são do tipo de concurseiros que fazem todos os concursos que surgem pela frente ou vocês dão preferência a uma área, banca, ou tipo de instituição?
Em outras palavras, você acha que é mais efetivo fazer provas que cobrem a cada edital diversos assuntos da psicologia ( e sabemos que as subáreas da psicologia são muitas!), ou você acredita que ao se “especializar” em um assunto tem maiores chances de aprovação?
Vamos lá, vamos tentar balancear os prós e os contra de cada uma dessas opções! Ao escolher fazer provas distintas e de áreas diversas, há a vantagem de estar sempre estudando, estar sempre em contato com a matéria. Além do que isso possibilita que o concurseiro conheça vários assuntos e também os estilos que as bancas têm de cobrar o conhecimento. Dessa forma, não se cai no erro de se ter períodos de pausa nos estudos por estar a procura do “edital ideal para você”. Existe também a vantagem de sentir que “não se está parado” que se está aproveitando “todas as oportunidades”.
A última vantagem é que se pode fazer, por exemplo, dois concursos ao mesmo tempo, escolhendo uma prova como prioritária. Muitos concurseiros fazem isso; escolhem uma prova como mais viável ( maior numero de vagas, menor concorrência, salário mais alto, etc) e elegem uma prova para se fazer como “treineiro”.
Entretanto, há varias desvantagens em se fazer esta opção. Ao estudar a cada edital assuntos bem diferentes, diminui- se a chance de consolidar o conhecimento na mente. É impossível ser bom em tudo! O que mais vemos na vida cotidiana são pessoas que são “feras” no assunto “x” e medianas em vários outros assuntos. E como elas chegaram neste nível? Basicamente através de repetição, memorização e treino. Sem contar que quando o concurseiro percebe que está evoluindo no acerto de questões de determinada área, ele fica mais autoconfiante e isso melhora o aprendizado.
Por outro lado, quais as vantagens e desvantagens de se escolher focar em alguns critérios? Vemos mais vantagens do que desvantagens. Pode-se escolher, por exemplo, em prestar apenas provas que tenham predomínio de psicologia Organizacional ou Psicologia Jurídica. Fazendo desta forma, existe a grande vantagem de se aproveitar o conhecimento adquirido em uma prova anterior e usá-lo para a próxima prova! Desta forma, aumenta-se a chance de acertos na prova. Fazendo desta forma, a tendência é que o concurseiro demore menos tempo para ser aprovado, mesmo que tenha as vezes que dizer “não” a um edital totalmente diferente do que vinha estudando. Esta decisão é difícil, mas em médio prazo a tendência é que ele não se perca de sua área escolhida e aumente seu desempenho em termos de nota.
Para finalizar, relato minha experiência. Durante um bom tempo fiz concursos de várias bancas e várias áreas da Psicologia. A experiência adquirida foi positiva, mas percebi que minhas notas estavam flutuantes e que era impossível dominar tantas subáreas da Psicologia. Decidi então, priorizar editais que tinham mais Organizacional . Com esta escolha fui melhorando minhas notas até conseguir ficar no número de vagas para Psicólogo da Petrobras.
Este é apenas um relato pessoal que não serve como regra geral. Veja, na sua realidade, o que é melhor para você e venha estudar com o Professor Alyson Barros do Psicologia Nova! Te ajudamos a escolher uma estratégia!
Um Abraço
Rafel Maciel
Moderador de Estudos do site Psicologia Nova

CONTATO

Deixe a sua mensagem que entraremos em contato

Nós gostamos de uma ligação direta e franca com nossos alunos. Fique à vontade para nos contatar e perguntar o que desejar.

Treble
Não exibir este vídeo novamente
ATENÇÃO
Indicações enviadas com sucesso!
Aguarde...
ATENÇÃO
Indicações enviadas com sucesso!
IDENTIFIQUE-SE
Quero me cadastrar!
Esqueceu a sua senha?
OPÇÕES DO USUÁRIO
SOLICITAR NOVA SENHA